X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!

CFMRC - Centro de Formação, Mediação e Resolução de Conflitos

O que eu preciso para ser mediador escolar?

Aprenda um pouco mais sobre mediação escolar aqui!

Por Junior Nardes dia em Artigos

O que eu preciso para ser mediador escolar?
  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

As escolas da atualidade têm se deparado com inúmeros casos de violência ocorridos dentro de seu seio. São violências de diversos tipos e naturezas, tais como: violência sexual, moral, psicológica, bullying (comportamento intencional e repetido cujo objetivo é prejudicar e irritar o outro), física, praticadas principalmente entre alunos e alunos e entre alunos e professores.

Diante desta grave situação em que se encontra a escola brasileira, torna-se necessário estudar e descobrir quais ou qual o meio mais eficaz para solucionar ou, no mínimo, amenizar os eventos violentos praticados dentro da escola, seja qual for a natureza ou o tipo desta violência.

Neste estudo bibliográfico, discute-se qual a relevância da mediação de conflitos na escola pelo gestor educacional como alternativa de combate à referida violência escolar, tendo sido utilizados teóricos tais como: Álvaro Chrispino (2007); Maria Jose Lobato de Azevedo; Ortega (2002), os quais são pesquisadores do tema “Mediação de Conflitos Escolares”; e teóricos, outros, voltados ao campo da gestão educacional, como por exemplo: José Carlos Libâneo (2004).

O que precisa para ser um mediador escolar?

A visão e concepção de conflito da maioria das pessoas comuns, lideres e instituições é reduzida a algo negativo e prejudicial ao ambiente de convívio e trabalho, ou seja, os mesmos enxergam, na maioria das vezes, o conflito como algo a ser evitado, uma vez que compreendem que o referido conflito é, unicamente, uma situação de deterioração das relações e atividades de determinadas instituições. Porém, esta concepção, segundo determinados autores e teóricos, não está correta. O conflito, no entendimento de certos pesquisadores do assunto, é uma possibilidade de aperfeiçoamento e amadurecimento das relações e atividades de uma instituição. Assim, o entendimento de que toda relação conflituosa consiste em uma relação de violência não é mais cabível, pois, na verdade, o conflito, quando não corretamente administrado, pode desembocar em ações violentas, não sendo o conflito, em si mesmo, uma situação de violência.

Diante deste cenário educacional brasileiro de má administração de conflito que, desemboca em violência escolar, a mediação e a gestão dos embates conflituosos pode ser de suma importância. Assim, no decorrer do texto desta monografia, será analisada qual a eficiência da mediação dos conflitos ocorrentes na escola como instrumento de combate à violência escolar, a partir do estudo das aparentes vantagens ou desvantagens que a ação de mediar trás em seu arcabouço.

Estude um pouco mais sobre, como, e o porque ser um mediador escolar aqui!

No primeiro capitulo do desenvolvimento do nosso e-book, será estudado o que é conflito, a partir de uma análise filosófica e antropológica e, ainda, será tratado, em sentido mais restrito, quais os conflitos mais frequentes no seio escolar. No segundo capitulo será analisado, à luz de uma pesquisa bibliográfica, o que é mediação, principalmente em contexto escolar. No terceiro capitulo do texto que se segue, estuda-se o que é escola e quais as funções centrais do gestor educacional, uma vez que, nesta monografia, se discute como o gestor educacional pode se utilizar da mediação para combater o advento da violência em sua escola. Por fim, no quarto capitulo, estuda-se o que é violência, centrando-se principalmente na violência escolar, e analisa-se como a mediação de conflito pode, então, combater esta referida violência na escola.

Fonte: Instituto Edukar

Você quer se destacar na multidão? Acesse aqui! time de vencedores na área juridica.

  • Compartilhe esse post
  • Compartilhar no Facebook00
  • Compartilhar no Google Plus00
  • Compartilhar no Twitter

Deixe seu comentário aqui: